11 maio 2008

Tentações - 2ª Parte

Bem gajada, e para matar a vossa curiosidade, seus cuscos dos infernos, cá vai a 2ª parte da história da JG.

Mais uma vez volto a frisar... comentem à vontade... Apoiem, critiquem, condenem, façam o que entenderem, mas evitem insultos aos intervenientes. Pelo menos temos que dar o mérito à JG por confessar a traição, tarefa nada fácil...

"
Fui de férias com o Luís… o corpo foi embora mas a cabeça ficou cá! Eu não conseguia compreender como é que meia dúzia de beijos podiam deixar-me aquela sensação de vazio. Como é que alguém que eu mal conhecia, podia preencher o meu pensamento daquela forma…

Enquanto estive de férias o nosso contacto limitou-se a umas rápidas conversas por msn, em que as frases de ordem eram mais ou menos como “…não quero destruir o teu casamento…”, “…como é que não consigo tirar-te da cabeça se só estivemos juntos aquele bocadinho…?” E sms’s que ele me enviava, dizendo que esperava que eu estivesse bem, que tinha saudades minhas… Combinámos que quando eu regressasse, íamos conversar sobre o que se passou, esclarecer as coisas…

E quando regressei, assim foi. Falei com ele por telefone logo no dia em que cheguei… ouvir a voz dele depois daquelas semanas… foi… fantástico… só nos ríamos ao telefone… dizíamos que estávamos cheios de saudades… combinámos encontrar-nos no dia seguinte. Assim que nos encontrámos… escusado será dizer que saltámos para o pescoço um do outro no abraço mais apertado e demorado possível, que foi seguido de uma quantidade incontável de beijos, festas… e um brilho nos olhos… que desde o primeiro momento apareceu quer nos meus olhos, quer nos dele.

Conversámos sobre o que se estava a passar, ambos dissemos que não queríamos deitar a perder as relações que tínhamos por uma atracção… que embora fosse fortíssima… poderia não ser mais do que isso. No entanto, as nossas palavras foram vãs, pois não conseguimos controlar a atracção e acabámos por combinar novamente um encontro… porque tínhamos saudades um do outro. Tornou-se uma bola de neve… quanto mais nos víamos mais queríamos, quanto mais tempo passávamos juntos mais saudades tínhamos um do outro, conseguimos inventar todas as desculpas possíveis e imaginárias para nos encontrarmos, quaisquer 5 minutos juntos, mesmo que implicassem fazer km’s de carro, valiam a pena.

Estávamos completamente apaixonados e descontrolados. Nesta fase, o Carlos terminou o namoro… não conseguia estar com a namorada, mas não me disse nada, pois achou que se o fizesse me iria pressionar. Só o soube algum tempo depois. Duas semanas passadas, fui confrontada pelo Luís… que desconfiou e acabou por apanhar pontas soltas, típicas de quem se deixa levar pela paixão e se distrai mostrando pequenas coisas que podem revelar a traição… caiu-me o mundo em cima nesse dia.

Tinha-me convencido que o que estava a viver era apenas uma loucura que passado o entusiasmo inicial acabava… bastava deixar “queimar o pavio até ao fim”. No entanto, quando descoberta, decidi terminar com a loucura, e voltar a tentar refazer a minha vida com o Luís. A conversa com o Carlos nesse dia… foi das coisas que mais me custaram na vida… chorámos imenso os dois, mas despedimo-nos… certos de que com o tempo íamos conseguir apagar aquela chama, e que íamos retomar as nossas “vidas normais”. E assim foi.

Passámos 3 semanas sem nos vermos, sem telefonarmos, apenas e muito pouco, falando por msn. Doía cada dia mais… o aperto no coração, as lágrimas em silêncio à noite, os olhos baços… sentia-me como se me tivessem sugado a vida…
Por motivos profissionais, ao fim dessas 3 semanas acabámos por ter que nos encontrar. Estávamos ambos a desempenhar tarefas distintas, mas num mesmo espaço físico. Foi difícil… a concentração não vinha, trocávamos olhares e sorrisos fugazes sem que ninguém reparasse… Quando acabámos o trabalho, recebi um sms dele dizendo que precisava de falar comigo, e que esperava por mim nas traseiras do edifício no estacionamento. E eu corri para lá! Mantivemo-nos o tempo todo dentro do carro o mais afastados possível… conversámos, ficámos em silêncio apenas a olhar um para o outro, até que… num impulso, acabámos por nos beijar.


Depois do beijo voltámos a afastar-nos e a perguntar porquê!? Era errado, não queríamos, mas porque é que não conseguíamos controlar? Ele disse-me que tinha voltado para a namorada, mas que não se sentia bem com ela e voltou a terminar o namoro, e eu disse que continuava com o Luís, e que continuava a querer tentar não destruir o meu casamento… Voltámos a despedir-nos sem combinar nada e sem expectativas, mas aquele beijo acordou a paixão que estávamos a tentar adormecer… e na semana seguinte voltámos a combinar encontrarmo-nos.

E o efeito bola de neve voltou! Nunca mais conseguimos parar de nos encontrar. Cada dia nos sentíamos mais e mais apaixonados, cada dia trocávamos mais juras de amor, fazíamos planos, e cada vez mais eu sentia que estava com vontade de deixar o Luís para ficar com o Carlos. Esta situação arrastou-se durante 5 meses. Foi abalada pouco tempo depois de recomeçar, por uma notícia inesperada. O Carlos ia ser pai!


A ex-namorada tinha ficado grávida quando ele voltou para ela. No dia em que soube, ele convenceu-se que me ia perder para sempre, pois sabia da minha dificuldade em engravidar e de como isso me afectava… mas… apesar de magoada e triste… eu não deixei de sentir por ele aquilo que sentia… a criança não foi planeada mas não tinha culpa… aconselhei-o a que não expressasse à futura mãe a sua vontade de que ela fizesse um aborto, e continuei ao lado dele, mesmo consciente de que esta criança poderia vir a ser um foco de problemas caso ficássemos mesmo juntos.


A minha relação com o Luís claro que foi ficando cada vez mais distante e fria, mas acho que no fundo tinha um misto de dúvidas sobre o que queria e medo de avançar para o divórcio. Daí que tenha deixado arrastar a situação tanto tempo… mas mais uma vez, um dia o Luís descobriu. A minha saída de casa nessa altura foi inevitável.


Saí da pior forma possível, com tudo e todos contra mim, e sem sítio para onde ir. Claro que, quem me deu guarida foi o Carlos. Fomos viver juntos de imediato. Apesar de ter todo o “meu mundo” a ruir-me em cima, com o Carlos eu sentia-me feliz. O brilho nos olhos, e a sensação de felicidade típica das grandes paixões… não me largavam! Vivemos juntos durante 2 meses, ao fim desse tempo eu fui sentindo que me faltava algo… e acabei por deixar o Carlos e fui viver para casa da minha mãe.


Foi a pior fase que vivi. Fui-me completamente abaixo. Psicologicamente estava um farrapo… uma sombra de quem eu era. O Carlos ficou muito magoado comigo, mas apesar de tudo entendeu que tudo tinha sido demasiado rápido, que nos tínhamos precipitado face às circunstâncias… mas como me amava… continuou ao meu lado. Apoiou-me sempre, esteve comigo sempre, fosse a que horas fosse, estava sempre lá para mim.

Ajudou-me a reagir, a voltar a ter força de sair de casa, de voltar a trabalhar, de acreditar que a minha vida não tinha acabado e que podia dar a volta por cima. Claro que com a minha ida para casa da minha mãe, o Luís viu uma oportunidade de se aproximar de mim, e começou a convidar-me para beber café, para ir ao cinema… enfim… começámos a sair de vez em quando, a tentar conversar sobre o que se tinha passado, a tentar entender o porquê de nos ter acontecido tudo isto.

Esta aproximação encheu-me de dúvidas, e voltei a questionar-me se realmente queria avançar com o divórcio, ou se deveria tentar de novo… Abri o jogo com o Carlos, não o quis enganar, e disse-lhe que apesar de não se passar nada com o Luís, eu sentia que talvez devesse conviver mais com ele para esclarecer as dúvidas que me assolavam, e que me faziam questionar se realmente me queria divorciar. Ele… disse que me amava, que se tivéssemos que ficar juntos assim seria, desse o mundo as voltas que tivesse que dar…


A minha aproximação do Luís evoluiu, e num momento de fragilidade minha (por questões de saúde) acabei por aceitar que ficasse comigo… A partir daí voltámos a parecer dois amigos muito chegados, saíamos juntos, fazíamos programas, conversávamos imenso os dois… fomo-nos aproximando. Acabámos por voltar para a nossa casa, e embora ambos sentíssemos que as coisas entre nós estavam longe de estar bem, até porque ainda não tínhamos conseguido ultrapassar tudo o que se tinha passado, queríamos tentar, queríamos salvar o nosso casamento.


Com o passar do tempo, cada um foi reagindo à sua maneira… eu afastei-me gradualmente do Carlos, que entretanto conheceu outra pessoa e começou a namorar com ela, mas a aproximação com o Luís chegou a um determinado patamar e não evoluiu mais. Estagnámos cada um no seu sítio, e embora tentando sempre que isso mudasse, não tivemos grande sucesso. O Luís também teve outras pessoas enquanto estivemos separados, e como nunca deixou de conviver nem de se dar com essas pessoas, penso que acabou sempre por permanecer essa barreira invisível entre nós.

Por outro lado, apesar de eu e o Carlos praticamente termos deixado de nos falar, eu sei e o Luís também, que tudo o que se passou me marcou para sempre. Que o Carlos é uma pessoa que vai sempre ter um espaço no meu coração, que nunca vou esquecer e que vivi momentos maravilhosos com ele. Por tudo isso e mais uma série de outros factores provavelmente bem estudados por psicólogos em situações do género, a nossa relação não ressuscitou.
"

69 comentários:

capitão disse...

Vamos a meio?
Está perto do fim?
Para já é só paixão e aflição!

luafeiticeira disse...

Ora bolas, isso é desgraça ao quadrado e sem sexo à mistura. Tem continuação? Espero que sim porque está muito bem escrito e a narradora sabe agarrar o leitor.
Beijos

disse...

vou ali ver uma novela da TVI e volto já....

Anonimo do Algarve disse...

Não digo k desta agua n beberei, mas totalmente contra a traiçao e k n faças aos outros o k n gostas k te façam a ti.
Por acho merecias sofrer o bocadinho p teres andado a brincar c os sentimentos do teu parceiro, n achas?

Bjs e boa semana de trabalho

MySelf disse...

isto assim não pode ser... já por isso detesto novelas e filmes divididos em 3,4 partes.

Mas a história está muito boa! Anda com um, volta pro outro, mais tarde vai outra vez e passado uns dias lembra-se que tem um compromisso e volta novamente.
Não era melhor estar cada um no seu canto?


Mas afinal como é que ficamos? Há continuação não há? se houver não demorem muito tempo a publicar senão a malta manda-vos já dar uma volta!!!!!!

Com tantos detalhes sobre o Carlos, aposto que ainda vem aí coisa...

Papagaio Louro disse...

Perdoem-me todos por dizer isto, mas não devemos julgar nem fazer juizos de falso valor...Só passando pelo mesmo é que um dia teríamos o direito de criticar... O "coração" é a entidade mais difícil de perceber! Concordo com a velha máxima do "não faças aos outros o que não queres que te façam a a ti, mas este episódio a que assistimos, não passa de uma tentativa da JG em ser feliz!!!

Capitão Merda disse...

Por essas e por outras é que não há nada como a vida de solteiro...

Nanny disse...

Pelo que sei da vida... dificilmente uma relação recupera de um "tombo" destes...

Contrariamente a alguns leitores, não faço juízos de valor... a vida acontece e a paixão também, e por muito que se possa ter posições adversas, só quando se passa por elas é que se consegue ajuizar...

Em abono da verdade, acho que nestas situações já nem é bom, para ninguém, que se mantenha uma relação com mágoas... mais vale cada um ir à sua... vida! :-)

Beijoca

vita disse...

Acabou?!?!
Falta a parte do sexo..:)

AcidoCloridrix disse...

1º Aniversário do Sexo com Arte e Humor, 13 de Maio de 2008,,,, aqui fica o CONVITE para a “festa”, o “bolo” e o “Presente” virtual solicitado!!!!
Agradecido também pela colaboração prestada em visitas e comentários ao longo deste ano, sem blogueiros como tu seria impossível comemorar agora este 1º ano,,,, OBRIGADO!!!!! HCL
(http://sexohumorprazer.blogspot.com/)

tavguinu disse...

o amor é fodido !

beijos fodidos :-D

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

ó gaja, aqui a malta não cusca, gosta é de apurar informações!...hehehe

Mas ainda me parece que falta aí qualquer coisita nesta parte da história... sei lá... um pouco de acção! hehehehehe

Mas agora a sério... é complicado quando estámos com uma pessoa e a nossa cabeça só pensa em outra!... como diz o tavguinu «o amor é fodido!»....

Beijos poéticos

TENHO DITO

jano disse...

óla gajas,na minha opinião a felicidede da "JG"passa por uma gravidez,por ela tão desejada.

Meu conselho:menos anciedade e pára um pôco, acenta essa cabecita e vêla lá se decides de qual realmente gostas né!!!.

mas kem sô eu? boa sorte felicidades e jinhos pas três!!!

Anónimo disse...

o quanto isto me é familiar, eu estou a meio de uma novela como esta, que faço, sinto-me à deriva

Sheila disse...

Ha mais certo? espero que sim

Beijinho*

PsYcHo_MiNd disse...

Como antes continuo a dizer que o maior erro foi o de continuar com algo que ainda para mais não se queria que aumentasse, envolvendo uma terceira pessoa (Luís) que não tinha culpa do que se passava. Se realmente estava casada com ele foi por que a dada altura o amou e então ele merecia bem mais da parte dela.

afectado disse...

Não sou ninguém para criticar alguém que não conheço e portanto não o vou fazer.

Apenas digo que acho que o Luis, uma vez que se tinham amado, merecia outro tratamento... isto é, havia a tal paixão? Muito bem, então abria-se o jogo em vez de enganar. Aí sim via-se respeito pelo amor que já teriam sentido um pelo outro.

Fico à espera da continuação... se houver, claro.

capitão disse...

Eu de Professor:
O assunto é comum. Conheço-o nas diversas variantes: antes de casar, depois, aos 20, aos 30,aos 40 e aos 50 anos. Depois dos 60 nunca ouvi!

Não acho nada de particular neste.!
É assim quase sempre.
O outro sabe, a aflição, a ambivalência (a emoção com um a estabilidade com o outro), a família e a sociedade à espera da definição que tarda, os arrependimentos, as recaídas e por fim a EXAUSTÃO e a aceitação de que "há mais vida para além do orçamento"!

Anónimo disse...

Acredito que para além do que aqui descreves ainda há muito mais (sentimentos, acções, dúvidas e mais coisas)...digo-te já que eu própria demorei 2 anos a tomar uma decisão definita e acredita que custou para as duas partes envolvidas.
Hoje encontro-me sem marido, sem namorado mas sou uma Mulher feliz, retomei a minha vida do zero mas valeu a pena.
FORÇA para ti seja qual for a decisão final

EA disse...

Boa noite. É a primeira vez que aqui deixo um comentário, embora seja um leitor assíduo. Continuem gajas boas.
Quanto á história. Confesso que me desiludiu. Na 1ª parte parecia uma mulher decidida, com força suficiente para "dar a volta", para ir à luta. Com a 2ª parte, fiquei na dúvida se era isso mesmo que ela queria. Mais me pareceu que queria o melhor de dois mundos. Peço, encarecidamente, que não se ofenda, JG, mas fiquei com aimpressão que o ideal seria ficar com o Luís e ter um filho com o Carlos.

Heidi disse...

Parabéns!
A quem escreveu / viveu e ao vocês, que publicam aqui!

Parabéns pela coragem em assumir o que aconteceu e em não esconder que afinal,nem sp são apenas rosas!

Gajas... Um destes dias conto a minha história! Aqui e não no meu Prazer!...

Que acham?

Bjs

Rita Carapau Sardinha Frita disse...

Se não ressuscitou o melhor terá sido cada um ir viver a sua vida da melhor forma possível, não é? Mas JG fiquei com a mesma dúvida que os outros leitores, isto termina por aqui?
Foste mto corajosa em partilhar a tua esperiência, afinal quem nc errou que deite a 1ª pedra, não é?

Um beijinho pra JG e prás duas Gajas Podres de boas!

conhecimento disse...

O Galo ou a Galinha do vizinho é sempre mais apetecivel não é? Não vou entrar em pormenores pois já práticamente tudo foi aqui comentado, resta-me dizer que NUNCA conseguirás compartilhar a tua relação com o teu marido de uma forma normal e muito menos com confiança.
Também eu faço a pergunta se acaba por aqui.

homem de negro disse...

Olá...
Curiosamente, esta história é-me familiar, já a vivi enquanto casado, já a voltei a viver depois, embora em posições completamente diferentes. Creio que não haverá muito a dizer, para além de a história me agarrar, porventura mero voyeur, mas de facto não acredito que por vir a ter um filho JG acabe por melhorar o casamento, mas o que acredito mesmo, cara JG, é que revela alguma imaturidade e confunde amor com paixão e tesão. È que, embora todas sejam saudáveis, o amor constroi-se ao longo da vida, a paixão arde e a tesão é a unica coisa que une as duas...
Logo se vê se haverá cenas dos próximos capitulos, embora me pareça que é uma história comum a muitos de nós, seres humanos, embora mais possível de acontecer às mulheres pelo facto de, segundo dizem, serem mais sensíveis e pensarem com o coração...
Seja como for, o melhor para JG e que acerte o passo porque eu não consegui, acabei por passar o tempo a errar o caminho...
Cumprimentos vadios, a gente vê-se por aí...

Dr.Phil disse...

Estas histórias de paixões fogosas fazem-me lembrar umas fotografias que vi à tempos de umas ilhas na Escócia. As fotos foram tiradas num formidável dia de sol, em que tudo parecia perfeito. A erva verde, o azul do céu. Em suma, uma paisagem idílica.

Mas logo o meu cérebro trouxe-me à realidade. Comecei a pensar que aquela paisagem é passageira, mesmo muito passageira. Será talvez o único dia do ano em que se tem um dia assim. O resto do ano é chuva, vento e frio. Deve ser um dos locais mais inóspitos do planeta.

Conclusão:
É bom viver um sonho, mas é preciso saber viver na realidade.

A jovem disse...

não vou tecer qualquer tipo de critica á autora do texto..porque é uma situação muito complicada e so quem passa por ela é que sabe realmente o que é melhor...vou antes aproveitar para dar os meus parabens, apesar de continuar desconhecida para quem le este blog, é preciso muita coragem para expor assim um caso desta natureza...estando sujeita a juizos de valor de completos desconhecidos...muitos parabens á autora...é ás Gajas claro...
Beijokinha

Anónimo disse...

Afinal, estou desiludida!!! Pensei que seria uma história com um final feliz... pois compreendo, isso só acontece mesmo é nos contos de fadas. En passant...

Porthos disse...

A primeira parte prometia mais, muito mais!!!!

Mas tiro o meu chapéu à protagonista e narradora, é preciso coragem para contar e sobretudo coragem para admitir muito do que admitiu. Estamos sempre (constantemente) a aprender.

Ósculos

Porthos

ruivinha disse...

Parabéns pela coragem de contares aqui a história da tua vida.
Embora a muitos de nós que aqui cuscamos, já tenha acontecido algo de semelhante e a "cena" até nos seja familiar...
Por vezes é mais fácil criticar do que tentar entender.
E se a tua história ficou assim, deixa-te ficar, se as coisas vão mal não tens de ir com elas, parte para outra. Se ainda não acabou... eu vou continuar por aqui, afinal estas gajas são viciantes.

Osuko disse...

Havera mais partes certamente...ou nao!

Esta historia nao é unica e as pessoas tem que saber disso,quantos e quantas pessoas nao viveram nisto?e se nao viveram irao viver,nao falo no geral porque nem toda a gente tem problemas,melhor,finge nao te los e vive uma vida de farsa...mas pronto,ninguemm tem que julgar ninguem!


Esta pessoa tem todo o meu apoio,possivel e imaginario,porque da para ver que e uma pessoa digna de uma mulher,e que sabe como a vida é, por vezes dura!
A felicidade passa por nos,nao pelos outros...


bem...


um beijinho para a protagonista,e para as xelentes donas deste blog!!

Moi disse...

A ficção ultrapassa a realidade!!

Só mesmo um Paulo Coelho para escrever cenas destas! lol

Just disse...

Capitão: Chegou ao fim. Para não me alongar demasiado tive que resumir…

Lua Feiticeira: O sexo também fez parte, claro! Mas… esses pormenores guardei para mim ;) Não há continuação… Bjs

Cé: Boa novela

Anónimo do Algarve: Eu sempre disse “nunca, jamais, em tempo algum” à traição… e de que me serviu? Bjs

Myself: Mesmo para não “partir” a história em mais partes é que teve ser bem resumidinha… Não há continuação. A continuação prefiro guarda-la para mim… E não, não houve mais nada com o Carlos…

Papagaio Louro: Obrigada! 

Capitão Merda: Huumm… mas olha que a vida de casado também traz coisas que a de solteiro não tem… Ambas têm pro’s e contras 

Nanny: Conheço casos em que é possível recuperar a relação… mas lá está… cada caso é um caso, e os sentimentos são o que são… se conseguíssemos mandar neles seria bem mais fácil! Bjs

Vita: Acabou sim… a parte do sexo ia alongar a história aí para uns 10 capítulos!!! 

Acido Cloridix: Parabéns!

Just disse...

Tav guinu: Ah pois é! E a paixão também :) Beijos

Pedro Correia ou Poeta Acácio: Tens razão… falta a parte da acção! Teve que ser abolida sob pena de se tornar demasiado extensa, e imprópria para consumo!! Beijos

Jano: Nã… a gravidez nesta fase da minha vida não me faria feliz. No fim… tou bem é sozinha! Bjinhos.

Anónimo: Se quiseres manda-me 1 email para justhurtgirl@gmail.com. Não sou psicóloga mas sempre podemos trocar umas impressões que te ajudem… Beijos.

Sheila: Não… sorry. Beijinhos.

Psycho Mind: Tens razão. Hoje também concordo contigo. No entanto, quando a viver a situação, não foi possível controlar o que aconteceu… e o resultado foi o que foi! Agora… é seguir em frente… o que já passou não se pode mudar.

Afectado: É verdade. Mas a paixão torna-nos um bocadinho irracionais… por isso sempre ouvi dizer que “paixão tolda a visão”.

Capitão: É a vida! Em todas as idades podem acontecer coisas inesperadas.

Anónimo: O tempo é sempre o melhor conselheiro… pelo menos é essa a minha opinião. E as decisões são sempre dolorosas para todas as partes envolvidas. Eu tb estou sozinha… embora ainda em processo de operacionalização da separação. Há que olhar em frente e correr atrás da nossa felicidade… sozinha ou acompanhada, é apenas um pormenor!

EA: Está desculpado! Se calhar não fui suficientemente esclarecedora na 2.ª parte… mas o facto é que foi o que fiz… fui à luta! Ficar com um tendo um filho do outro!? Não! Acredite que a dada altura, e quando o meu envolvimento com o Carlos começou, falei com ele sobre a necessidade de usarmos contraceptivos, e ele respondeu que não queria porque se eu engravidasse, ninguém tinha que saber que era ele o pai, e dava-me o filho que eu tanto queria. Mas isso nunca foi coisa que eu considerasse!

Just disse...

Heidi: Obrigada. Claro que a vida não são sempre rosas, aliás pelo contrário! Beijinho.

Rita Carapau Sardinha Frita: Foi isso que aconteceu. Cada um foi viver a sua vida. Termina por aqui porque há coisas que prefiro não partilhar… Obrigada pelo apoio :) Bjs.

Conhecimento: Acaba por aqui sim.

Homem de negro: Claro que não é o nascimento de um filho que resolve nada! Antes pelo contrário… trazer ao mundo uma criança no seio de um filme destes só traria era mais problemas e desilusões. Se algum dia foi mãe, terá que ser num clima de estabilidade e equilíbrio e não no meio de uma tempestade. Por agora limito-me a acertar o passo sozinha! O tempo dirá se assim vou continuar…

Dr. Phil: Boa analogia :)Gostei!

A Jovem: Obrigada! Não doeu nada! :) Beijinhos.

Anónimo: Acredita que durante um tempo eu também esperei um final feliz… ou melhor… um final cor de rosa… porque feliz parece-me que posso considerá-lo na mesma… Será certamente o melhor para mim!

Porthos: Parece-me que fiz mal em não fazer isto por 3 vezes e abrir um bocadinho mais o jogo na parte mais obscena da história… Há para aí muitos leitores desapontados! Obrigada pelo apoio. Acho que o simples facto de escrever a história e receber comentários (sejam e que teor forem) também foi uma forma de aprendizagem :) Bjs

Ruivinha: Obrigada! É quase sempre mais fácil criticar do que entender… mas quando nos toca a nós, aí é que sabemos! A minha narrativa acaba-se por aqui… a minha história… essa… claro que continua! Vamos ver onde me conduz…

Osuko: Não haverá mais partes :) As outras são só minhas! Mais uma vez obrigada pelo apoio que tens manifestado! Vamos falando! Beijinho!

Moi: Quem me dera a mim ser um Paulo Coelho!! Estava capaz de escrever um livro… e aí entraria em detalhes que esta narrativa não permitiu…

vita disse...

Obrigada just..existe promenores que devem ficar para ti sim..e não fiquei desiludida..achei que não tinha terminado..só isso (e quem sabe umas cenas quentes e tal..lol)..;)
O melhor de toda a historia é que me parece que sozinha ou não refizeste a tua vida..e isso é o mais importante.;)

PEIXE disse...

mudasti...mudasti...mudasti!!!

Acho que é isso que precisas, tal como eu também mudei...pra melhor..pra pior,não sei....I dont care!loll

Apenas sei que me transformei, que melhorei enquanto "homem", este "homem" que teimou em não crescer durante muito tempo,os meus sonhos são diferentes, os meus desejos também, mudei a estratégia mudei-me por dentro e por fora.....se melhorei apenas o tempo o dirá...
Acho de que precisas de fazer o mesmo...

Agora vou fechar o consultório pra ir buber uma bejeca e comer uns tremóiços á tua saude! lollll....

beijos mudasti

Anabela disse...

Ó Diabo...

... queres ver que... a tua vida dava um filme...?

Anyway, aprenderam todos a lição?

Que não se pode querer dois ao mesmo tempo...

Que uma coisa, não é outra coisa...

... e que o fogo de estalo só interessa se fôr para te divertir...

... e que as paixões só são voláteis... para quem as sabe manter no devido lugar...?

Anónimo disse...

Uma vez que a história acabou, não resisto a um comentário, não identificado.
Eu passei por isso tudo no masculino e com filhos. Pior ainda pois estava casado com uma mulher espectacular.
Não sei o que se me passou pela cabeça, mas era mais forte que eu!
Felizmente que não estraguei a casa!
Foi a incapacidade de manter por mais tempo a vida dupla que me fez voltar à monogamia.
Mas passados anos, ainda olho para trás com carinho por esses tempos!
Minhas amigas: eu acho que me foi possível gostar de duas mulheres ao mesmo tempo!

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

just:
é pena! um pouco de acção torna as coisas mais picantes!... hehehehehe

Beijos

TENHO DITO

acido disse...

Olá JG, porra!lembras-te do que te escrevi das ultimas vezes?... antes queria adivinhar o número do euromilhões. Pelo menos era mais rentável...

Lamento que a fonte tenha secado, mas quando não se cuida dela...é o que dá...saem todos fodidos e não pelo melhor método.

Hoje coloco-te outra pergunta que não necessitas de responder aqui em público. É mesmo só para responderes a ti propria.

O que procuravas no outro namorado quando tinhas um deles? (a ordem dos homens é indiferente). Lembra-te que só desejamos o que não temos. Recorda-te também que no final nem um nem outro te deram aquilo que procuravas, ou que vaga e difusamente sentias necessidade e procuraste através de uma relação com outra pessoa. Porquê?

Nas relações às vezes (demasiadas vezes) ligamos muito às grandes coisas, às grandes paixões, às grandes emoções, e descuidamos o pequeno dia a dia. O amor, as relações, aquilo que é profundo em nós constroi-se de pequenas coisas mundanas, que para o exterior parecem uma só peça mas na realidade são uma vasta teia de ligações, assim como o Lego como diria o meu puto mais novo.

Com todo o respeito pelos restantes comentadores, acho que não falares de sexo foi o mais inteligente que fizeste para este final. Afinal há uma grande diferença entre sexo e intimidade. O sexo podemos no limite fazê-lo com qualquer uma(um), a intimidade só a permitimos a um pequeníssimo número, e esta é claramente uma história intima.

conhecimento disse...

JUST, Acaba a história e acho bem que acabe desta forma, foram-se os ANEIS mas ficaram os dedos.
Vale mais estares só do que acompanhada só por estares.
Podes ter cometido um erro, mas nunca se sabe se não acabou por ser benéfico.
Tens agora uma outra forma de vida pela frente, estás livre, és Senhora de ti e só a ti deves satisfações.
Pela tua coragem, pelo teu senso te desejo a MAIOR SORTE E FELICIDADE mundo tão pequenino!!!
Beijinho.

Just disse...

Vita: Claro que cenas quentes houve com fartura! LOL! Nem é bom lembrar-me… :) Agora iniciei a Era do Celibato!! Estou bem assim! Sinto-me tranquila, confiante, segura… o tempo se há-de de encarregar de me mostrar o que está reservado para mim! Bjs

Peixe: Hehehe! Mudasti é muito bom! E para melhor terá sido certamente! Eu pelo menos sinto-me bem! Tu imagino que tb! Bebe lá a bejeca e come os tremoços à minha saúde que eu prometo que no fim de semana como uns caracóis à tua! Beijos!

Anabela: Ah pois dava! Mas é mesmo o que dizes… serviu para aprender! Beijos.

Anónimo: Eu sei que não sou caso único (muito pelo contrário), mas de facto é mais comum que sejam os homens a “pisar em ramo verde” do que as mulheres. Precisamente por olhar para trás e ver o que se passou… é que agora agradeço ao Senhor lá de cima não ter filhos. Acho que as crianças são sempre quem mais sofre… e assim… somos mesmo só nós! Eu apaixonei-me verdadeiramente pelo Carlos… e acho que já me tinha desapaixonado do Luis sem que me tivesse dado conta disso… É a vida!

Pedro Correia ou Poeta Acácio: Um dia destes escrevo uma capítulo pornográfico :):) Beijos

Acido: Hehehe! Pois… eu não ia levantar o véu antes de tempo, mas acredita que ainda me ri sozinha a ver os comentários anteriores. As reflexões que me propuseste fazer, já eu as fiz sozinha várias vezes. O que procurei e encontrei no Carlos que já não tinha com o Luís foi exclusivamente bom sexo! E encontrei… infelizmente (ou felizmente!) rapidamente deixou de ser só sexo… Por outro lado a estabilidade emocional e o meu equilíbrio, ao lado do Carlos… por diversos factores, não foram possíveis de conseguir. Como não se pode fazer um dois-em-um… olha… antes sozinha! Gostei particularmente do teu último parágrafo… obrigada :)

Conhecimento: Obrigada! Nem tu sabias deste final hã?! Não te respondi ao email ainda por falta de tempo! Beijinhos!

Anónimo disse...

esperava mais, a segunda parte foi de todo desinteressante, a narração da historia nestta 2 parte deixou-te muito aquem! sinceramente:podia ter um final mais entusiasmante, relatando os mesmos factos

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

just:
venha de lá esse capitulo! ó despôs espeta-se a peta ao Manoel de Oliveira, a ver se ele faz o filme! hehehehehehehe

Beijos poéticos

TENHO DITO

luafeiticeira disse...

Há um blog, para mim dos melhores, que precisa que lhe deiam força. Vão vê-lo no meu blog, por favor.
Beijos

Just disse...

Anónimo: Para ter um final mais entusiasmante teria que entrar em pormenores que não quero partilhar.

Pedro Correia ou Poeta Acácio: Vou pensar no caso... :) Quanto ao filme... acho que é melhor escolher outro realizador... para o Manuel de Oliveira o conteúdo era capaz de lhe trazer problemas cardíacos!! Beijos

Lua feiticeira: Já fui espreitar. Beijos!

Orgásmica disse...

Visitem-nos em
http://audaciosos.blogs.sapo.pt/

Maria Onassis disse...

E foda, não há? Caramba, esta história precisa de algum sal e pimenta... de alguma penetração.
Mandem detalhes que a gente está cá pra ler.

Jocax
Maria

Anónimo disse...

WOW.

Caros Colecas Cuscos, Caras "boazonas", JG:

estou sem folego.
É irrelevante se a1ª parte é melhor q a 2ª ou vice-versa. É irrelevante se á narrativa de sexo (okok, ajudava..)
Mas a questão é que estou aqui.. num turbilhão. Ás vezes é preciso vermos/lermos com atenção alguns acontecimentos para percebermos a profundidade das coisas. Eu, como homem casado já ha uns anitos, ja tive os meus episódios. Não estoua falar de traições. Mas de atrações, vontades, desejos. Mas todos nós, sei lá, quando a coisa fica por ai, devido á intensidade dos dias, acabamos por não pensar muito bem nas possiveis consequencias. Esta história fez-me pensar. Muito. E sintonizar, on-line, uma rádio com musica depressiva...

Parabens pela coragem de contar. Em relação ao resto não opino. Não tenho que e não devo. (e quem somos nós para comentar??)

ufa.

Osuko disse...

Um festa esta para vir!!!
Visitem o meu blog e ficam a conhcer o festao!!!


Gajas,desculpem me usar o vosso blog para fins publicitarios sim?


BjoO

Gaja Boa 1 disse...

Heidi

Estás à vontade para escreveres aqui a tua história, e estás também à vontade caso o queiras fazer anonimamente...

Este repto serve para ti ou para outro leitor.

Caso estejam interessados em desabafar a vossa história, é favor contactar-me pelo mail:

gajapodredeboa1@hotmail.com

beijos desabafados

Gaja Boa 1 disse...

Osuko

Estás à vontade... Tu usa e abusa aqui deste espaço... Publicita à vontade.

beijos festivos

conhecimento disse...

Também podes publicar a história de um desgraçadinho?
é que não sei escrever...

conhecimento disse...

Para dar por terminada a minha presença neste tão EXPRESSIVO relato de uma VIDA, venho dizer que no fim de todas essas situações, de todas as provas, de todos os sabores amargos e também doces, de satisfação , prazer e também de alguma angústia e sofrimento, acabas-te por conseguir uma coisa muito importante que foi adquirires novamente a tua LIBERDADE!

Orgásmica disse...

Visita-nos em http://audaciosos.blogs.sapo.pt/

Osuko disse...

Grato em saber que posso usar e abusar deste blog,mas...nao em grandes abusos,prometo =D!eheheh(prometo,olha me este a falar)


Eu tambem estou sempre ao dispor,sabem que a minha presença aqui é como a morte(cruzes,estas te a passar joao?),sempre certa =D!


um BjoO daqueles enormes e cheios de imaginaçao e festa!


(Aquela maizena faz-te mal a cabeça,aii aii!)

NM disse...

Gostei bastante deste cantinho. Apetecível e tentador. Voltarei com mais tempo.

http://prazeroculto.blogspot.com

Mokas disse...

que grande novela!foi o to ze martinho quem escreveu?fogo,que grande treta!ver a floribela e ler isto vai dar ao mesmo!...

Anónimo disse...

olhem fiquei triste....a pensar que esta cena tinha um final feliz....que gaita..xiça......bela maneira de demonstrar que o princepe encantado não existe......olha boa sorte gaija e felicidades.....

Folha em branco disse...

O amor é fodido e é por acaso o livro q ando agora a ler.

Para ver o q diz, se percebo alguma merda desse assunto pelo qual nunca fui comparticipado e só sei q qunto + sei, + burro fico.

Não tenho mesmo nada para contar, talvez por isso, e peço-te desde já desculpa q é sem intenção de qq ofensa, mas acho q gostava d ter alguma merda desse género para contar na minha pobre e vazia vidinha dessas coisas do amor, engate, quecas por fora ou q lhe quiserem chamar.

AqDesiludidoBj

Anjo De Cor disse...

Tá feio ...
Espero continuação desta rica novela ;)

Jorge Bastos disse...

Gostei imenso dos contornos desta história e da forma como foi escrita...

...espero que no dia de hoje tenhas a oportunidade de te sentir realizada.

Beijo e boa sorte.

Paula disse...

História interessante.
As relações humanas são de facto muito complexas.

Em algumas passagens é muito semelhante à minha história de vida.

Abraço

Niki disse...

Não duvido do tamanho do sofrimento da JG, apesar de ter traído e magoado o marido tenho a certeza que foi ela quem mais sofreu com tudo e admiro a coragem que teve não em partilhar a historia mas sim em relembrar tudo, é capaz de não ter sido fácil.

Espero também que não tenha terminado assim, estas coisas não acontecem á toa, acontecem porque procuramos a felicidade!

Beijos ás gajas boas e à JG também!

Just disse...

Maria Onassis: Já respondi a alguns comentários acima, que obviamente as partes mais intimas foram propositadamente guardadas para quem as viveu. Bjks.

Anónimo: Espero que o facto da minha história te ter feito pensar tenha sido positivo! A rádio com música depressiva… bom… essa parte dispensava-se! LOL! Obrigada pelo “apoio”. Bjs

Osuko: Só vi o teu anúncio da festa hoje! Mas… recebi por email o convite na semana passada… não estive presente por questões de agenda… mas tive pena! Bjos

Conhecimento: É verdade! Adquiri novamente a minha liberdade. Tenho momentos em que me sinto sozinha, ainda um pouco perdida… mas acredito que a seu tempo serão cada vez menos! :) Bjs

Orgásmica: Já fazem parte dos favoritos do meu blog ;)

NM: Também já fui espreitar o teu cantinho :) Gostei!

Mokas: Podes sempre optar por ver a Floribela.

Anónimo: Pois é… até determinada altura eu também achei que ainda podia ter um final feliz… mas não. Á conta disso deixei de acreditar no “viveram felizes para sempre…” Obrigada! Bjs.

Folha em branco: Não penses que gostavas de ter alguma coisa para contar… acredita apenas que tens certamente o dia em que a tua vidinha passará a ser rica e cheia “destas coisas”! Bjs

Anjo de Cor: Não vai haver continuação. Acabou assim… com cada um para seu lado…

Jorge Bastos: Nos dias de hoje ainda não estou realizada. Ainda estou em fase de me recompor… nada disto foi fácil e ainda tenho alguns problemas práticos para resolver… mas a seu tempo espero conseguir recuperar-me! Obrigada pelo elogio à minha escrita :) Beijo.

Paula: Em algumas passagens é semelhante à tua história de vida? Suponho que existem muitas pessoas por aí com histórias assim… Nós é que quando as vivemos pensamos que somos caso único! Bjs.

Niki: Quanto a medir que sofreu mais… nunca achei que fosse mensurável… sei apenas o quanto sofri e ainda sofro com tudo o que se passou, e com o fim do meu casamento. Partilhar a história… foi de alguma forma terapêutico para mim… acho que recordar e escrever me permitiu talvez analisar as coisas de uma forma mais crua e fria do quando as vivi… Por agora terminou assim. Eu estou sozinha. Os homens… acho que um deles tem uma namorada, e o outro acho vai tendo… O tempo resolverá o que falta resolver aqui para os meus lados! Beijos!

Just disse...

Recado para o ACIDO:

Sei que me enviaste um email através da Gaja Boa... inadvertidamente apaguei-o antes de responder... Envia-mo por favor para justhurtgirl@gmail.com

Este endereço de email é válido para qualquer um de vocês que queria entrar em contacto comigo!

Obrigada a todos por "me" lerem!

Beijos e Abraços,
Just Girl

Anónimo disse...

Qualquer semelhança com a novela colombiana "Betty, a feia", é pura coincidência. lol

Anónimo disse...

Adorei ler a sua experiencia... há quase 20 anos tinha um namorado, com quem casei, e conheci um rapaz por quem tive uma atracção(e ele por mim), mas an altura demos dois ou 3 beijos rapidos. Como tinha namorado achei melhor não avançar e apresentei o a uma amiga minha com quem veio a casar. Fomo sempr e mantendo contacto, mas apenas como amiga e marido de... há cerca de 2 anos começámos a torcar e-mails e sms, ja nos encontramos 2 vezes, não aconteceu nada (sexualmente) e quando estamos juntos tento evitar o assunto. há dias enviou-me um sms a dizer que gostava de mim... é tão bem sabermos q outro homem gosta de nós... mas que medo!!!!! sou casada há mt tempo, gosto mt do meu marido mas não fico indiferente a este homem... as saudades e os sentimos de angustia pelo q diz e pelo que não diz são muito fortes...... Maggie

Anónimo disse...

que seca do caralho. mas o que é isto? parece uma historia tirada das tardes da julia.
tu nao deves bater mto bem dessa cabeçinha...